terça-feira, 30 de março de 2010

Contagem de espermatozóides - Análise Seminal

Saiba mais sobre Contagem de espermatozóides - Análise Seminal

Antigamente, as análises seminais testavam apenas os números de espermatozóides, ao passo que hoje em dia analisam também a motilidade (capacidade de se deslocarem e nadarem com rapidez) e a morfologia (formação). A fraca motilidade (astenozoospermia) pode significar que os espermatozóides são incapazes de se deslocarem em linha recta ou com rapidez suficiente.

Os espermatozóides são classificados em quatro níveis de motilidade:
- No nível A os espermatozóides revelam uma rápida progressão em linha recta.
- No nível B eles apresentam uma progressão lenta, com movimentos erráticos.
- No nível C eles não são progressivos: contraindo-se mas não avançando.
- No nível D eles não têm motilidade e não se movimentam de todo.

Os espermatozóides são classificados de acordo com a percentagem existente em cada nível. Os níveis normais de motilidade requerem que pelo menos 25 por cento se situem no nível A ou uma combinação de 50 por cento distribuída pelos níveis A e B. Se mais de 50 por cento se situar nos níveis C e/ou D, então o homem apresenta um problema de fertilidade. As contagens espermáticas revelam o número real de espermatozóides. Quando a contagem é baixa (menos de 20 milhões por cada ml) recebe o nome de oligozoospermia, ao passo que a azoospermia se refere a uma total inexistência de espermatozóides mensuráveis.

Observar a morfologia de um espermatozoide

Os espermatozóides podem apresentar anomalias de diversas maneiras. As suas cabeças podem variar de tamanho e de formato - pode até haver duas cabeças - e também pode haver defeitos na peça intermediária ou na cauda dos espermatozóides (as caudas por vezes são redondas e encaracoladas, o que impede que progridam). Números elevados de espermatozóides com aspecto anómalo (teratozoospermia) vão reduzir a fertilidade de um homem e podem tornar a concepção mais dificil.

- Os espermatozóides normais vão deslocar-se numa progressão rápida em linha recta.
- As cabeças dos espermatozóides podem ser defeituosas e isso vai afectar a sua progressão.
- A motilidade será gravemente prejudicada se um espermatozóide tiver duas caudas.

Impacto do estilo de vida

A fraca motilidade pode ser um resultado de factores do estilo de vida, tais como:
- uso de drogas
- abuso do álcool
-  tabaco
-  radicais livres na alimentação

Se verificar que os seus espermatozóides estão a ser afectados desta maneira, deverá ler alguns artigos anteriores para descobrir que medidas poderá tomar para melhorar o seu estilo de vida e, por conseguinte, a motilidade dos seus espermatozóides.

A minha contagem espermática foi descrita como "moderadamente baixa". O que significa isso?
A oligozoospernia moderada significa que você rem alguns espermatozóides funcionalmente normais. Em primeiro lugar, tanto você como a sua companheira devem procurar maneiras de melhorar a vossa saúde geral e de concederem a ambos a melhor hipótese de aumentar a vossa fertilidade.

Posteriormente, pode ser considerada a inseminação intra-uterina (IIU) usando preparados de 3 a 5 milhões de
espermatozóides com uma motilidade progressiva. A sua companheira vai precisar ter pelo menos uma das
trompas de Falópio a funcionar em pleno e terá que submeter-se a uma estimulação ovariana. Em tais condições, três a quatro ciclos de IIU resultam em concepção em 15 a 30 por cento dos casais.
Se existir 1 a 2 milhões de espermatozóides com motilidade numa amostra preparada de sémen, a FIV deverá ser a próxima opção.

Tenho uma contagem espermática muito baixa - há alguma esperança de concepção?
Se há menos de 5 milhões de espermatozóides por cada ml, isso é considerado como sendo uma oligozoospermia
grave. A causa é muitas vezes genética. Cerca de 7 a 10 por cento dos homens com oligozoospermia revelam possuir um defeito genético - como por exemplo a inexistência de certo material genético no seu cromossoma Y - quando são analisados. Isso pode tomar mais provável a transmissão da sua infertilidade para os filhos do sexo masculino e também pode aumentar o risco de certos defeitos congénitos.

A injecção intra-citoplasmática de espermatozóide, conhecida IICE, combinada com a FIV poderia ser usada se
fossem detectados baixos números de espermatozóides com motilidade. A capacidade de isolar um único espermatozóide e de injectá-lo no óvulo, realizada pela primeira vez na Bélgica por volta de 1992, foi um dos grandes avanços no tratamento da infertilidade masculina.

Saiba tambem o que é a azoospermia?

O que mais revelam os testes espermáticos?
Os testes espermáticos tornaram-se cada vez mais sofisticados e podem agora ser utilizados numa grande variedade de factores que podem afectar em grande medida a fertilidade. Estes testes não fazem necessariamente parte das análises normais que se costumam fazer e não são comparticipados, mas podem revelar informações inestimáveis. Estas podem incluir:

- Acidez do sémen (o esperma em geral é alcalino com um pH situado entre 7,2 e 8).

- Aglutinação: isto significa que os espermatozóides com motilidade se colam uns aos outros e em geral isso indica a presença de anticorpos antiespermáticos (proteínas que revestem o esperma e se ligam ao muco cervical, impedindo que os espermatozóides se desloquem em direcção ao óvulo ou que o fecundem). Se os espermatozóides estiverem colados uns aos outros, vai ser necessária a realização de um teste RAM (reacção de aglutinação mista).

- Presença de anticorpos: em geral estes não estão presentes no sémen, contudo podem ser causados por uma lesão ou por uma cirurgia como por exemplo a reversão de vasectomia ou a reparação de uma hérnia, onde um colapso na barreira sangue-testículo vai permitir que o sangue e o tecido testicular se misturem. Quando os anticorpos se encontram presentes em níveis relativamente elevados, a fertilidade pode ser afectada. Além de impedirem que os espermatozóides se desloquem, podem fazer com que seja diffcil para ele reconhecerem um óvulo e fecundarem-no.

- Concentração de células redondas (estas são células espermáticas imaturas ou então são glóbulos brancos). Uma elevada concentração destas células pode indicar uma infecção, que se for séria pode ocasionar danos permanentes.

O que pode implicar uma análise espermática mais avançada?
Existem hoje em dia mais análises espermáticas que são feitas com imenso pormenor. Estas ainda são controversas e, em resultado disso, não são sugeridas com muita frequência se é que o chegam a ser, mesmo na maioria das clínicas de fertilidade. Deverá confirmar se a sua clínica disponibiliza testes para :

- Fragmentaçao do ADN. Este teste é relativamente raro na Europa- O ADN é o material genético transportado nos nossos cromossomas e embora o óvulo continue a poder ser fecundado por espermatoóides com danos pouco significativos no ADN, danos mais graves podem significar que os espermatozóides não conseguem fecundar o óvulo, ou que o embrião resultante não é viável. Os cientistas podem agora analisar os espermatozóides em busca de fragmentação do ADN ou de anomalias cromossómicas.

Espera-se que entre 2 e 13 por cento dos espermatozóides sejam geneticamente anormais e embora a idade posa aumentar esse número, factores ambientais e do estilo devida incluindo o fumo de cigarros e o alcool, também podem afectar de forma significativa a percentagem de espermatozóides anómalos.

Quando os danos do ADN não possuem uma origem genética, podem ser causados por radicais livres existentes na nossa alimentação e no meio ambiente. Com uma modificação no estilo de vida, os homens podem reduzir a
quantidade de espermatozóides anómalos.

- Aneuploidia. Isto sucede quando existe um ou mais cromossomas extra ou em falta. Isto conduz a anomalias
genéticas, algumas das quais são incompatíveis com a vida; outras, como a trissomia 21 (ou síndrome de Down) irão resultar em anomalia fetal.Verifica-se uma maior taxa de aneuploidia nos espermatozóides com ADN fragmentado e há dois testes bastante específicos que podem determinar isso: um teste de dispersão da cromatina espermática (DCE) e um teste de hibridação in situ por fluorescência (HISF).

-  Níveis de P34H. Pesquisas revelaram que a proteína P34H desempenha um papel fundamental na fertilização e que os níveis baixos ou inexistentes dessa proteína na superftcie do esperma ocorrem num número significativo de homens subférteis. A proteína é necessária para permitir que a fertilização aconteça, por isso os seus niveis baixos/inexistentes podem justificar certos casos de infertilidade anteriormente inexplicada. Trata-se de um teste novo e, embora já se encontre disponível nos EUA só muito poucas clínicas europeias o realizam de momento.

Existem alguns testes de fertilidade masculina que possam ser necessários para além da análise seminal?
Sim, na verdade a análise seminal é apenas uma parte da história. Outros testes incluem uma simples análise de sangue para verificar os niveis das hormonas sexuais fundamentais: HFE, HL, testosterona e prolactina. Os resultados situados acima ou abaixo dos niveis esperados indicam um desequilibrio hormonal, que pode ser tratado com medicamentos de substituição hormonal. Se os níveis de HFE e de HL forem elevados e os níveis
de testosterona forem baixos, poderá ter falência testicular. Neste caso o exame de uma amostra de tecido dos testículos vai ajudar a determinar se é ou não possível recuperar o esperma para ser utilizado numa injecção intra-citoplasmática de espermatozóide (IICE).

Para além disto, podem ser recomendados mais testes para determinar se há danos nos testículos, ou quaisquer outros danos fisiológicos, ou defeitos genéticos. A cultura celular é capaz de identificar infecções, que podem resultar numa produção reduzida de testosterona e numa diminuição da contagem espermática. Pode recorrer-se a uma ecografia para examinar a saúde fisiológica do escroto, dos tesículos, do epidídimo, da próstata e das vesículas seminais. Por fim, pode ser realizada uma avaliação genética, uma vez que cerca de 4 por cento dos homens com uma contagem de espermatozóides inferior a 5 milhões por cada ml e mais de 15 por cento dos que não têm espermatozóides apresentam uma anomalia cromossómica.

Saiba tambem Quais são os efeitos psicológicos da infertilidade masculina.

ESTUDO DE UM CASO


Não se descobriram quaisquer problemas quando Ana, a companheira de Ricardo, fez testes de fertilidade - então foi a vez dele. Ricardo admite que foi uma experiência dificil.


Ricardo Temia o dia em que teria que fazer um teste. Uma manhã dirigi-me à clínica e não parava de pensar como
seria se não conseguisse obter uma amostra, ou se encontrasse alguém conhecido. Quando cheguei, as enfermeiras foram óptimas mas senti-me incrivelmente acanhado, ao perceber que toda a gente sabia o que eu ia fazer. Fui para uma pequena sala e consegui realizar o acto, mas senti-me muito tenso, o que não ajuda em nada.


Senti algo surrealista ao ouvir as conversas das outras pessoas lá fora. Quis esconder a minha amostra quando saí e tomei consciência de que a sala de espera estava cheia de gente. Quando fui embora não parava de pensar que talvez não tivesse espermatozóides. E se eu não puder ter filhos? E depois?
Como vou contar isso à Ana?


Cinco dias depois voltei lá para ir buscar os resultados, que me pareceram muito complicados. O meu médico assistente explicou-me os resultados. A minha contagem espermática era boa: 70 milhões. Contudo, a motilidade era fraca e o número de espermatozóides com formato anormal era bastante elevado. Disseram-me que o caminho a tomar deveria ser fazer uma IIU, mas que iria demorar algum tempo para conceber face aos meus resultados.


Decidimos não ter pressa. Para começaçar, o meu estilo de vida precisava de ser modificado: eu fumo, bebo e vivo sob grande stresse, por isso vou resolver primeiro estes assuntos e depois faço outra análise. Se os resultados não melhorarem, então consideraremos outras opções.


Os homens temem fazer uma análise espermática, e precisam do apoio das companheiras e do pessoal médico. Não desista, pois não está sozinho nesta luta

1 comentário:

Thaís disse...

BOM DIA, FIZ TODOS OS EXAMES EU E MEU ESPOSO,CONSTOU QUE ELE TEM APENAS 30% DE MOTILIDADE NO RESULTADO DO ESPERMOGRAM,GOSTARIA DE SABER SE É POSSÍVEL ENGRAVIDAR COM ESSA PORCENTAGEM DE ESPERMATOZOIDES.